VOLTAR
CARNAVAL NA ITÁLIA

Conheça o tradicional carnaval de Veneza, onde os mascarados saem às ruas até a Piazza San Marco com suas roupas clássicas e belíssimas máscaras. Este roteiro também contempla um passeio por duas das cidades mais cohecidas da Itália.

- Veneza (3 dias)

- Florença (1 dia)

- Roma (Vaticano) (3 dias)

- Milão (2 dias)

- Pisa e Lucca (1 dia)

VENEZA

Vaporretto: http://www.visit-venice-italy.com/transport-venice-vaporetto-actv.htm

 → Chegar em Roma e ir direto pra VENEZA
No aeroporto Fiumicino (Via dell' Aeroporto di Fiumicino, 320, 00054 Fiumicino RM, Itália) ir até o terminal 3, pegar o ônibus da empresa Terra Vision e ir até a Estação de Trem Termini (Via Giovanni Giolitti, 4-6 185 Rome)
Na estação pegar um trem para Veneza e descer na Estação S. Lucia (Fondamenta Santa Lucia, 54/b 30100 Venice)
Duração: 03h45min
Preço: 2ª classe - base: R$259,20; economy: R$158,77; SuperEconomy: R$93,96
Compra da passagem: https://www.lefrecce.it/B2CWeb/search.do?parameter=searchOutputViewer&cFID=Alxo4tbneBgA
 
Quando chegar, descer na estação Venezia Sta. Lucia (e não na Venezia- Mestre, que fica antes) e pegar um Vaporetto.

Saindo da estação, o cais à direita opera a linha 1 (linha local, que vai até o Grande Canal) e o cais à esquerda (Scalzi, logo antes de começar a ponte maior) opera a linha 2 (a linha expressa, que segue pelo Grande Canal) e a N (barca noturna).
Essas linhas são as que param na maioria dos pontos principais da cidade, inclusive onde ficam boa parte dos hoteis.
Porém, mesmo assim recomendamos que os usuários levem um mapa da cidade que mostra as linhas de vaporettos e em quais pontos elas param:
http://www.actv.it/sites/default/files/Mappa_linee_02_04_2012_100x70%20copia(1).pdf


DIA 1: 
1)      Ponte di Rialto
Como chegar: Pegar linha 1 ou 2 do vaporetto
Ao visitar o Grande Canal e entender o motivo de Veneza ainda ser tão visitada, aproveite para visitar a bela Ponte di Rialto. Atualmente, a ponte possui cerca de 400 anos de idade, mas mantem-se bem conservada. Ao seu lado, funciona o Mercado de Rialto, principal mercado de Veneza, com incríveis queijos, suculentos peixes e outros produtos frescos. Perfeito para se fazer compras despretensiosamente e conhecer um pouco da vida local. A ponte é famosa por estar no centro do Grande Canal e também por ter várias lojas em cima dela.
Dica: A ponte normalmente fica lotada de turistas, então tente chegar cedo.
Endereço: Sestiere San Polo, 30125 Venezia, Itália
 
2)      Mercado de Rialto
O Mercado de Rialto abastece a cidade desde 1907, fornecendo peixe, frutas, legumes e outros alimentos a uma população que em alta temporada aumenta consideravelmente. É aberto ao público e o espetáculo vale a pena.
Vendedores barulhentos, barcos chegando para descarregar, muita gente e o burburinho comum dos mercados em geral. O Erberia (mercado de vegetais) ePescheria (mercado de peixe) começam cedo. Então, se você quiser encontrar produtos frescos, melhor ir bem de manhã. Aproveite para ver o dia-a-dia dos moradores e divirta-se com as cenas mais inusitadas.
Informações: Manhãs de segunda a sábado. Entrada gratuita.
Endereço: Campo della Pescheria, 30125 San Polo, Venezia VE, Itália


3)      Campo San Polo
Apesar de ser bastante frequentada por turistas, o Campo San Polo é um local bastante calmo e agradável. É o segundo maior espaço aberto de Veneza, depois da Praça São Marcos, uma praça onde crianças locais e cachorros correm e brincam enquanto os pais conversam. No verão acontece um cinema ao ar livre.
Endereço: Campo San Polo, 2168, 30125 Venezia, Itália
 
4)      Basilica dei Frari
Depois da Basílica de São Marcos, a Basílica de Santa Maria Gloriosa dei Frari é o complexo eclesiástico mais notável em Veneza, bem como sendo um dos fundamentos franciscanos mais importantes da Itália.
Originalmente construído entre 1236 e 1338 pelos franciscanos conventuais Frades, a estrutura foi completamente remodelada no século 14 e dada a sua presente forma mais grandiosa nave central, duas laterais e sete capelas absidais após designs franciscano-góticas.
Ao longo dos séculos a basílica tornou-se um verdadeiro tesouro peito de obras excepcionais de arte: o retábulo poderosa que descreve o Assunção da Virgem e do Pesaro Retábulo (1526) por Ticiano, Triptych de Giovanni Bellini com a Virgin e Santos (1488), Tríptico de Bartolomeo Vivarini de São Marcos (1474).
A Basílica também contém a única obra Venetian por Donatello: sua magnífica estátua de madeira de São João Batista. A escultura desempenha um papel importante na igreja e nos inúmeros túmulos que fazem a Frari uma espécie de panteão de notáveis ​​venezianos.
Endereço:  San Polo, 3072, 30125 Venezia, Itália

5)      Scuola Grande di San Rocco
http://www.scuolagrandesanrocco.it/
A Confraria de São Roque, fundada em 1478 e imediatamente reconhecido pelo Conselho dos Dez, recebeu a relíquia do corpo de Saint Roch em 1485.
Entre 1517 e 1549, a Confraria mudou-se para um dos edifícios mais importantes e cativantes da cidade, que preserva o extraordinário trabalho, original do Tintoretto. A Confraria de São Roque, que foi feita uma "Archbrotherhood" em 1789 por Pio VI, continuou suas atividades sem interrupção até os dias de hoje.
Horário: 09:30 - 17:30 (A venda de ingressos encerra às 17h)
Aberta em todos os dias do ano, exceto no Ano Novo e Natal.
Preços: Preço total: 10,00 € (incluindo áudio-guia)
Reduzida: 8,00 € para jovens até aos 26 anos, para os idosos com mais de 65 anos de idade e para grupos de pelo menos 20 pessoas (bilhete grátis para o líder do grupo)
Crianças: grátis para crianças até aos 18 anos de idade, que pertencem à mesma família e que são acompanhadas de pelo menos um dos pais.
Endereço: Campo San Rocco, 3052, 30125 San Polo


6)      Gallerie dell’Accademia
http://www.gallerieaccademia.org/
 A coleção da Galeria da Academia conta a história da arte veneziana dos séculos XIV ao XVIII em 24 salas, que mostram trabalhos de Paolo Veronese, Giovanni Bellini, Mantegna, Piero della Francesca, entre outros.
Sua construção começou em 1100, mas só foi concluída no século XIV. Antes de abrigar o museu, seu edifício foi utilizado como igreja e convento. É uma boa oportunidade para conhecer a história da arte em Veneza.
Horário: Aberto de terça a domingo, 8h15 às 18h50. Fecha às segundas-feiras
Preços: Adultos: € 9,00; jovens de 18 a 25 anos: € 6,00; gratuito para menores de 18 anos.
Endereço: Campo della Carità, 1050, 30123 Venezia, Itália


* Passeio de gôndola (opcional)
Horário: Os serviços estão disponíveis 24 horas por dia, mas os passeios comerciais normalmente só são abertos à luz do dia.
Preço: A partir de € 80/100 (gôndola pequena). Os passeios duram cerca de 40 minutos.
Procure sempre profissionais credenciados, entre eles os que ficam nos arredores da Ponte Rialto e da Piazza San Marco. Há meia dúzia de trajetos básicos, passando ora pelo Grand Canal, ora por estreitos canais em bairros internos, o que pode causar um pouco de congestionamento.
Se sua necessidade são deslocamentos pela cidade, o melhor é optar pelo barco-ônibus vaporetto (6,50 euros o bilhete único), e quando necessitar cruzar o grande canal, a sugestão são os traghettos, gôndolas criadas especialmente para esse fim.

DIA 2:
 
1)      Piazza San Marco (Praça São Marcos)
 
Uma das praças mais famosas do mundo é também uma das mais belas e imponentes. Na Piazza San Marco figuram duas torres, a dell”Orologio, original do século 14 e que passou por reforma na última década, e a Campanile, que teve sua primeira versão erguida no século 9, desmoronou em 1902 e foi reconstruída de acordo com o projeto do século 16. Use o elevador para subir e conferir a melhor vista de Veneza.
A Piazza San Marco também é endereço para algumas lojas de grifes e os clássico cafés Quadri e Florian. Um dos melhores lugares de Veneza para curtir a paisagem e ver o povo passando, a Piazza é um dos lugares mais fortemente afetados durante as enchentes, mais comuns durante o inverno.
É o centro das comemorações do carnaval, lá acontecem paradas diárias onde pessoas fantasiadas desafiam umas as outras para o concurso tradicional de melhor máscara e fantasia. Os participantes serão selecionados pelos espectadores que irão votar e podem levar os seus favoritos à vitória. Todos os dias, dois vencedores serão selecionados para ir direto para a final de domingo.
Endereço: Piazza San Marco, Venezia, Itália


 
2)      Basilica de San Marco
Inicialmente, foi edificada para receber os restos de São Marcos, padroeiro da cidade. Hoje, é umas das principais igrejas de Veneza, considerada uma obra prima da arte bizantina. Atrai multidões de turistas, assim que, melhor visitá-la no começo da manhã. Você poderá ver com mais calma o jogo geométrico de suas cinco cúpulas, as cinco portas da fachada principal, a extravagante decoração interior, a base feita de mármore oriental, belas colunas e luxuosas jóias.
Atrás do altar maior, uma grande placa de ouro guarda os restos de São Marco, La Pala d'Oro, adornada com safira, esmeraldas e rubis. Se diz que seu corpo foi roubado de um mosteiro em Alexandria, no século XI, e agora repousa na nave principal da basílica. É necessário pagar para visitá-la (cerca de € 1).
Horário: de novembro a março: 2ª/sáb 9h45/17h e dom/feriados 14h/16h. Entrada gratuita. Duração do passeio: cerca de 10 minutos, em um trajeto pré-determinado.
Para evitar filas é possível reservar um dia e horário para visitar a basíilica: http://www.venetoinside.com/en/attractions/saint-marks-basilica/
Preço: A entrada na basílica é gratuita, porém para entrar no museu da basílica custa 4 euros.
Endereço: San Marco, 328, Venezia, Itália

3)      Campanário de San Marcos
A torre de 98 metros que marca a paisagem da Praça de São Marcos. A torre tem exatamente esse formato há 500 anos, mas a versão atual é uma reconstrução idêntica, concluída em 1912, depois que a torre anterior caiu. Admirar a vista de Veneza do alto do Campanário é uma atividade disputada entre turistas. Foi do alto do antigo Campanário que Galileu Galilei apresentou seu telescópio ao doge (o governante) de Veneza.
Preço: 8 euros
Endereço: Piazza San Marco, 30124 Venezia
 
4)      Palazzo Ducale (Palácio Ducal) - em frente  ao Campanário
O Palácio Ducal está situado na Praça São Marcos, com uma parte da fachada virada para a praça e a outra para o canal. O edifício é um exemplo de arquitetura gótica, e sua base principal, feita em mármore. É considerado um símbolo da fortuna e do poder alcançados pela cidade no passado.
→ Horário: 8h30/17h30 (novembro a março)
Preço: Entrada combinada adultos: € 16 (incluindo Palazzo Ducale, Museu Correr, Museu Arqueológico Nacional e Biblioteca Nacional Marciana).
O roteiro guiado dos itinerários secretos sai por € 20, em horários pré-determinados.
Endereço: San Marco, 1, 30124 Venezia, Itália 


5)      Ponte De Sospiri (Ponte dos Suspiros)
Uma das pontes mais famosas da cida, a Ponte dos Suspiros liga o Palazzo Ducale ao prédio onde funcionava a antiga prisão de Veneza e tem esse nome, porque segundo a lenda, os prisioneiros suspiravam ao passarem por ali, vendo o mudo pela última vez. Também há outra lenda que diz que todos os casais ao passarem pela Ponte dos Suspiros devem trocar beijos para que o amor dure para sempre.
Endereço: Piazza San Marco, 1, Venezia


 Daqui é necessário pegar um Vaporetto para atravessar o canal e a Santa Maria della Salute

6)      Santa Maria della Salute
A igreja foi construída depois que uma epidemia de peste negra matou ⅓ da população da cidade, inclusive o doge. Durante a crise, o Arcebispo de Veneza fez uma promessa: construir uma igreja e dedicá-la à Virgem Santíssima. Dito e feito. A construção começou em 1631, mas a Basílica Santa Maria della Salute ficou pronta só em 1681.
Endereço: Fondamenta Salute, 30123
 
Saindo daqui é possível ir caminhando até o Peggy Guggenheim Collection, o caminho leva cerca de 5 min.
 
7)      Peggy Guggenheim Collection
http://www.guggenheim-venice.it/inglese/default.html
A Coleção Peggy Guggenheim é um dos museus mais importantes da Itália para a arte européia e americana do século 20. Ele está localizado na antiga casa de Peggy Guggenheim, Palazzo Venier dei Leoni, no Grande Canal, em Veneza.
Endereço:  Dorsoduro, 701-704, 30123 Venezia

 
DIA 3
É necessário pegar um vaporetto até a Estação Fondamenta Nuove (Fondamente Nove, 30100 Venezia, Italy) e de lá pegar outro vaporetto para Burano.

1)      Murano
O souvenir mais famoso de Veneza, depois das máscaras, são os pequenos objetos feitos de vidro de murano. Alguns podem chegar a ser bem mais que uma lembrancinha, já que os preços, conforme a peça, podem subir muito. Esse famoso vidro colorido é produzido em um pequena ilha perto de Veneza, que não por acaso, se chama Murano.
O destino é perfeito para quem quer adquirir peças. Você ainda pode visitar algumas das fábricas para saber como é o processo artesanal de fabricação dessas pequenas obras de arte ou o Museo del Vetro.


2)      Burano
Enquanto Murano é voltada ao comércio, a ilha de Burano é mais charmosa, principalmente por suas casas coloridas. Parece que, enquanto nas outras ilhas, a cor das casas é prevista por lei por questões de conservação do patrimônio, lá isso não acontece, sua paisagem é realmente diferente Localizada  há aproximadamente 7 Km de Veza, Burano é formada por quatro ilhas individuais que são separadas por pequenos canais. Para chegar lá é muito fácil. Você compra o "biglietto" (em torno de 8 euros por pessoa) para o "vaporetto" que leva até a ilha. Além disso, a ilha também é famosa por suas rendas feitas pelas artesãs locais e seu ar bucólico perfeito para fugir da correria de Veneza e mergulhar em um silêncio delicioso.
Sugestão: Visitar Murano pela manhã e Burano pela tarde e voltar para Veneza no fim da tarde, quando o sol estiver se pondo (o pôr-do-sol visto nas proximidades da ilha é lindo).

Pegar um trem de Veneza (Estação S. Lucia - Fondamenta Santa Lucia, 54/b 30100 Venice) até Florença (Estação S. M. Novella - Piazza della Stazione, 10 50123 Florence)
Duração: 2h05min
https://www.lefrecce.it/B2CWeb/search.do?parameter=searchOutputViewer&cFID=BT41SW2HSbA4

 

FLORENÇA


 1)      Piazza del Duomo (catedral Santa Maria del Fiore)
A majestosa Catedral de Florença (Duomo di Firenze) penou até conquistar seu aspecto definitivo, um rebuscado gótico de cores claras cujo exterior é impactante sob qualquer ângulo que seja observado. Começou a ser construída em 1296, recebendo a consagração apenas 140 anos depois. A fachada atual demorou ainda mais – foi concluída em 1887. Sua face interna é mais discreta, porém ainda assim reserva alguns detalhes preciosos a exemplo das ruínas da antiga igreja que ali existia (na cripta) e um afresco de Giorgio Vasari (cúpula). Abriga o Museo dell’Opera del Duomo, com obras com obras de Donatello e outros artistas.
Entrada gratuita.
Endereço: Piazza del Duomo, Firenze, Itália
 
2)      Galeria dell’Accademia
http://www.uffizi.firenze.it/musei/?m=accademia
Abriga umas das estátuas mais famosas do mundo, a versão original de David, obra de Michelangelo. A espera necessária para admirar a estátua vale a pena, pois os detalhes incrivelmente reais (as veias em seus braços musculosos, os músculos da perna, a mudança de expressão como você se move em torno da estátua) são impressionantes.
Horário: De terça a domingo 08:15-18:50. Não abre nas segundas, Ano Novo, 1º de maio e Natal.
Preço: Ingresso inteiro: € 6,50; Meio ingresso: € 3,25. A bilheteria fecha às 18:20
Endereço: Via Ricasoli, 58/60, Firenze, Itália
 
3)      San Lorenzo Mercato Centrale
Quando bater a fome, o San Lorenzo Mercato Centrale, é uma parada quase obrigatória. Como todo bom mercado, lá você vai achar frutas, peixes, massas, queijos e salames, tudo fresco. Nossa dica é que você procure a Il Salumeria, onde dá para provar os queijos e salames típicos da região e comprar no pedaço. Para almoçar mesmo, nos fomos ao Nerbone, que vende massa fresca bem baratinha, por volta de 4 a 6 euros o prato.
Endereço: Piazza del Mercato Centrale dell'Ariento, Via dell'Ariento
 
4)      Ponte Vecchio
Construída no I século antes de Cristo, reza a lenda que durante a 2ª guerra quando os alemães já haviam perdido a guerra e destruíam tudo aquilo que podiam, ao ver a beleza desta ponte não tiveram coragem de destruí-la. Repleta de joalherias e ourives é a mais bela ponte sobre o rio Arno, atravessá-la é um privilégio de poucos, portanto não deixem de visitá-la.

 
5)      Piazza della Signoria
Depois de visitar o Duomo, pegar a direita na Via dei Calzaioli e ir até a Piazza della Signoria, que é considerada a principal praça de Florença.Nesta praça é possível admirar grandes obras artísticas, como a réplica  do famoso David de Michelangelo (o original está no Museu dell’Accademia), a Fontana de Nettuno, além do prédio da prefeitura de Florença, o Palazzo Vecchio.
 


6)        LOGGIA DEI LANZI
A Loggia dei Lanzi, também conhecida como Loggia della Signoria, é um monumento histórico de Florença situado na Piazza della Signoria - a praça central da cidade, à direita do Palazzo Vecchio (sede do poder civil) e ao lado da Galleria degli Uffizi.

Impossível passar na frente e não parar por pelo menos uma meia hora.
São treze esculturas que podem ser contempladas gratuitamente a qualquer hora! A mais famosa - com muita justiça, porque é realmente esplêndida - é o "Perseu com cabeça de Medusa", de Benvenuto Cellini. Com 5,19 e um dos símbolos do maneirismo italiano, a estátua de bronze é capaz de deixá-lo zonzo, tal é a riqueza de detalhes.
Endereço: Piazza della Signoria, 50121 

 
*Loja da Ferrari (opcional)
Em Florença a loja da Ferrari fica na Via Strozzi, 6 e vale uma visita par
a conhecer um pouco da história da marca, admirar as lindas máquinas e aproveitar para ver o painel do Felipe Massa.
 
7)      Piazzale Michelangelo
Uma réplica de bronze de David, de Michelangelo é o centro das atenções desse parque planejado pelo arquiteto Giuseppe Poggi no século 19. Ou melhor, a estátua divide o foco com a esplendorosa vista - provavelmente a melhor vista geral de Florença - que se tem da cidade dali, com o rio Arno, a Ponte Vecchio e o Duomo claramente visíveis na planície abaixo.
Endereço: Piazzale Michelangelo, 50125 Firenze, Itália

Pegar trem de Florença (Estação S. M. Novella: Piazza della Stazione, 10 50123 Florence) até Roma (Estação Termini -  Via Giovanni Giolitti, 4-6 185 Rome)
Duração: 1h31min
 
https://www.lefrecce.it/B2CWeb/search.do?parameter=searchOutputViewer&cFID=s1Wnp90LajH6

ROMA

Dica: Se o dia estiver chovendo, recomendamos começar pelo Vaticano, pois grande parte do passeio é em local coberto.

DIA 1 - "Turistando por Roma"

Chegada no Aeroporto Leonardo da Vinci (Fiumicino - Via dell' Aeroporto di Fiumicino, 320), ida para o centro:
De ônibus até a Estação Termini (Via Giovanni Giolitti, 4-6 185) (no terminal 3 a empresa Terra Vision faz o transporte até a estação Termini por  € 5,00  - http://www.terravision.eu/
De trem até a Stazione Termini (meia hora, € 11) ou de táxi € 40.
Quem pretende circular por várias cidades vale a pena considerar o Itay Rail Pass da Eurailpass (www.railpass.com).
Ônibus: Os passes mais comuns para o turista dividem-se entre: Biglietto (bilhete simples, €1.50, válido por 100 minutos, incluindo baldeações); Biglietto Giornaliero (€6, válido por um dia, até a meia-noite); Biglietto Turistico (€16.50, válido por três dias); e Carta Integrata Settimanale (€24, válido por uma semana). www.atac.roma.it.
 
*O Roma Pass é um cartão que facilita sua viagem em Roma, ele dá direito a entrada grátis nas duas primeiras atrações visitadas. Nas seguintes, você paga tarifa descontada (normalmente, meia entrada). E durante a validade do passe tem direito a transporte gratuito e ilimitado em metrô, ônibus e bonde (e algumas linhas de trem). A ativação acontece na primeira utilização, seja no transporte público, seja na atração escolhida. A validade do passe se encerra à meia-noite do terceiro dia. Atenção: transporte de e para os aeroportos NÃO estão inclusos. (www.romapass.it.)
Os cartões custam €36,00 e estão à venda
nos postos de informação turística e nos museus e demais atrações participantes. Existem postos nos aeroportos Fiumicino e Ciampino, e também nas estações Termini e Tiburtina. Dica: Comprar no aeroporto assim que chegar.
 
1)      Piazza del Popolo
Situada na principal entrada ao norte da cidade está a Piazza del Popolo - Praça do Povo, na tradução literal -, local que chama a atenção pelo tamanho e pela quantidade de elementos presentes no mesmo espaço. Além da Igreja Santa Maria del Popolo, que abriga obras-primas de artistas famosos, como Caravaggio, lá o visitante encontrará belíssimas fontes e um obelisco egípcio, ao centro (trazido até Roma pelo imperador Augusto). Na igreja Santa Maria Del Papolo também está a Capela Cigi, citada no livro “Anjos e Demônios”.
 
2)      Piazza di Spagna (Igreja Trinità dei Monti)
A Piazza di Spagna - Praça da Espanha, na tradução em português - é um dos lugares mais vibrantes de Roma. Sempre repleta de gente, tanto turistas como habitantes, o local costuma ficar quase intrasitável, especialmente durante o verão. Lá o visitante vai encontrar a famosa escadaria de Espanha, que leva até a igreja Trinità dei Monti, além da fonte da Barcaccia, de Pietro Bernini, aos pés da escadaria.  
Os arredores da Praça da Espanha são também um verdadeiro paraíso para os que gostam de ir às compras. Isso porque no local há butiques mundialmente famosas, como Valentino, Fendi, Gucci, entre várias outras. Já na Via del Balbuíno, bem próxima à praça, é possível encontrar antiguidades, quadros e móveis.
Endereço: (Igreja Trinità dei Monti): Piazza della Trinità dei Monti, 3,

3)      Fontana di Trevi
Como um dos pontos turísticos mais famosos da capital, a Fontana di Trevi está sempre repleta de visitantes. Além de ir até o local para ver de perto a obra-prima que já foi cena de filme, muita gente segue a tradição de jogar uma moeda na água. Reza a lenda que o ato garante ao visitante o retorno à cidade.
A fonte mundialmente conhecida é, na verdade, a fachada de um prédio ornamentada com estátuas e outros elementos (no centro, por exemplo, Netuno conduz uma charrete guiada por cavalos-marinhos). A dica para os que desejam evitar a multidão, que se aglomera na praça de mesmo nome, é visitar o local bem cedo ou tarde da noite.
Ira até a estação Barberini e pegar um trem para o Circo Massimo.
Endereço:  Piazza di Trevi, 00187
 
4)      Circo Massimo (Circo Máximo)
O Circo Massimo (Circo Máximo) foi a principal pista de corridas do Império Romano, um lugar onde eram realizados os jogos públicos, famosos principalmente pelas corridas de quadriga (carro de duas rodas puxado por 4 cavalos emparelhados). Essa pista, que chegou a medir cerca de 600 metros de comprimento, tinha arquibancadas com capacidade para receber até 150.000 espectadores. Os espectadores que não conseguiam um lugar nas arquibancadas também podiam assistir aos jogos dos montes Aventino e Palatino, localizados perto do local.
 
Hoje em dia o Circo Massimo foi transformado em um parque com um grande gramado, ideal para um tranqüilo passeio. Muito pouco foi preservado do que um dia foi o grande circo romano. Do circo original, hoje somente resta a pista de corrida, que foi coberta pela vegetação. A área é atualmente utilizada como um parque para passear ou praticar esportes no centro de Roma.
Endereço: Via del Circo Massimo, 00186 Roma

5)      Bocca della Verità
Todo turista que se preze tem que colocar a mão na pedra redonda em forma de máscara da Boca della Verità, à esquerda da entrada da bela igreja medieval de Santa Maria in Cosmedin. Diz a lenda que os mentirosos têm a mão mordida pela boca.
Endereço: Piazza della Bocca della Verità, 18

6)      Trastevere
Roma é uma cidade excelente para quem gosta de boas caminhadas e um dos lugares imperdíveis da capital, nesse sentido, é Trastevere. O bairro judeu-romano, mais conhecido como a “cara de Roma”, tem atmosfera única. Lá o visitante encontra charmosas ruas estreitas que mais parecem labirintos, pessoas indo e vindo, tráfego intenso de lambretas e, é claro, muitos restaurantes, bares pubs (que garantem diversão dia e noite).
http://viajeaqui.abril.com.br/materias/trastevere-roma-city-tour
Conheça a Trattoria da Lucia, na Vicolo del Mattonato, 2

 

DIA 2 - "Panis Et Cirsenses também é cultura!"
 
1)      Coliseu
Amphiteatrum Flavium ou Coliseu, como é popularmente conhecido, um dos monumentos mais famosos do mundo que atrai mais de 3 milhões de turistas todos os anos. O suntuoso símbolo do império romano, cuja construção foi iniciada em 72 d.C., foi palco para o combate entre gladiadores e batalhas com animais, performances que costumavam ser assistidas por um ávido público de até 73 mil pessoas.
A visita às ruínas do Coliseu é fascinante, uma verdadeira viagem ao passado. Como a atração é bastante famosa, a dica é adquirir a entrada com antecedência, pois assim o visitante evita as enormes filas que se formam no local desde cedo. O ingresso custa € 12 (inteira) e dá direito a entrada no Coliseu, no Monte Palatino e no Fórum Romano (a dica, portanto, é que o visitante reserve um dia somente para as três atrações). *Se a pessoa comprar o Rome Pass não precisa comprar o ingresso.
Uma boa alternativa é também optar pelo tour guiado, que pode ser adquirido na entrada do monumento (placas indicam o local certo). Além disso, guias em áudio também estão disponíveis em diversos idiomas, inclusive em português, por €6.
Informações: O Coliseu abre diariamente, a partir das 8h30 (o horário de fechamento varia de acordo com a ápoca do ano, podendo ser das 16h30 às 19h15), exceto nos feriados de Natal e ano-novo.
Endereço:  Piazza del Colosseo, 1

 
1)      Palatino
Saindo do Arco de Constantino o visitante pode aproveitar o mesmo ingresso para conhecer o Monte Palatino, uma das sete colinas de Roma que serviu de morada de luxo para imperadores romanos como Augusto, Tibério e Domiciano. O monte, que segundo a mitologia romana também é o local de nascimento dos gêmeos Romulo e Remo, abriga uma bela mistura de ruínas e verde, e para visitá-lo por completo é preciso ter tempo.
Lá o visitante encontra atrações imperdíveis, como o museu Palatino (esculturas romanas encontradas no local), a Casa de Lívia (residência do imperador Augusto), entre várias outras. O Monte Palatino abre diariamente a partir das 8h30. O MD convida-o, agora, a conferir a continuação desse post no página dedicada ao Forum Romano.
Endereço:  Palatine Hill, 00186


2)      Forum Romano
(Dica: Bastante interessante visitar os três primeiros no mesmo dia, pois contam como uma só atração no Roma Pass)
Como o Coliseu e o Monte Palatino, o Fórum Romano é  um dos locais imperdíveis de Roma. Isso porque as ruínas que estão no local foram um dia o centro da vida cívica e econômica na Roma republicana.
Situado entre o monte Capitolino e o monte Palatino, o Fórum foi erguido no final do século VII a.C., sendo a Via Sacra sua principal rua.
No Fórum você não pode deixar de conferir de perto:
Templo de Vesta - Seu formato era circular. Fica na Via dei Fori Imperiali, Roma​
Basílica de Massenzio - Impressiona pelo tamanho e pelo grau de conservação. Fica em Clivo di Venere Felice. 
Arco de Septimius Severus - Construído para celebrar as vitórias do imperador. Fica em Via dell'Arco di Settimio.
Uma opção para aqueles que quiserem conhecer a história do Fórum Romano a fundo é optar pelo tour em áudio ou pelo guiado. É possível obter informações completas sobre ambos na bilheteria da atração. Mas a melhor opção ainda
Endereço: Via della Salara Vecchia, 5/6, Roma

2)      Piazza Venezia

3)      Largo di Torre Argentina

4)      Pantheon, Praça da Rotonda

Bem no centro da cidade, mais exatamente na praça da Rotonda, está o templo de todos os deuses: o Pantheon (Panteão). Esse imponente monumento arquitetônico clássico resistiu não só ao tempo, mas também às várias transformações sofridas ao longo do tempo (em 609, por exemplo, o local passou a ser uma igreja cristã).
O magnífico interior tem 43,40m de diâmetro. Uma espécie de “olho”, por onde entram luz e ar, na parte de cima, chama bastante a atenção do visitante; além disso, o belo piso do templo é quase todo original. No local ainda repousam os corpos de personalidades como o pintor Raffaello e o primeiro rei da Itália, Vittorio Emanuele II de Saboia.
A visita ao Panteão não costuma demorar mais que uma hora e o melhor horário para ir ao local é mais cedo (para aqueles que desejam evitar a multidão). Uma dica interessante é sentar-se nas mesinhas de um dos vários cafés que circundam a praça da Rotonda (durante o dia ou à noite) e aproveitar a atmosfera do lugar.
Informações: O templo abre de segunda a sábado, das 9h às 18h30, e aos domingos, das 9h às 13h (entrada franca).
Endereço: : Piazza della Rotonda,00186

 
5)      Piazza Navona
A Praça Navona é uma das mais célebres praças de Roma. A sua forma assemelha-se à dos antigos estádios da Roma Antiga, seguindo a planificação do Estádio de Domiciano.

6)      Mercado Campo de Fiori
O Campo de Fiori - Campo das Flores, na tradução literal - é um dos lugares agradáveis de Roma a serem explorados a pé ou por quem apenas deseja uma pausa entre um passeio e outro. Isso porque o local, que um dia foi palco para a execução do filósofo Giordano Bruno, em 1600, abriga hoje uma simpática praça rodeada por restaurantes, cafés e lojinhas (nas proximidades), além de uma feira com barracas de frutas, trufas, azeites, entre outras delícias.
A feira abre de segunda-feira a sábado, até o fim da tarde, mas os bares e cafés funcionam até tarde da noite, fazendo do local uma excelente opção de passeio noturno.


DIA 3: "O VATICANO"
 
1)      Museu do Vaticano
Arte egípcia, grega, romana, etrusca, galerias dedicadas à tapeçaria, mapas, cerâmica, entre outros tesouros podem ser vistos de perto nos Museus do Vaticano, um gigantesco conglomerado artístico que impressiona do começo ao fim. Conhecer todo o acervo iniciado pelo papa Julio II, no século XVI, é uma missão difícil, especialmente se o tempo for escasso, porém tours guiados e guias em áudio podem ser uma excelente solução para aqueles que desejam visitar os principais pontos do local.
Obras-primas de grandes nomes da arte podem ser encontradas em praticamente todas as seções dos museus, a exemplo de Rafael (nos quartos de Rafael, Stanze di Raffaello, em italiano), Leonardo, Giotto e Caravaggio (na Pinacoteca), Van Gogh e Matisse (na área dedicada à arte religiosa moderna), entre outros.
Endereço:  Viale Vaticano,00165 Roma

2)      Capela Sistina
Cujas pinturas de Michelangelo no teto retratam cenas do Gênese (A Criação de Adão é uma delas), é um espetáculo à parte e vale a pena admirar com calma. Além disso, o local também é a sede dos conclaves dos Papas.
(http://biglietteriamusei.vatican.va/musei/tickets/index.html site para a compra de ingressos antecipados para o museu, ajuda a fugir das filas gigantes) Os ingressos individuais custam € 16 (inteira, já com a taxa de reserva on-line) e € 8 (meia-entrada + taxa de reserva on-line). No site também é possível fazer reservas de toursguiados; Os museus do Vaticano abrem normalmente de segunda-feira a sábado, das 9h às 18h, e no primeiro domingo de cada mês (até as 14h, com entrada gratuita das 9h às 12h30). Mais informações no website.
Obs.: A entrada no primeiro domingo de cada mês é gratuita.
Endereço: 00120,Cidade do Vaticano
 
3)      Piazza di San Pietro

4)      Basílica di San Pietro

Ergueu-se no Vaticano, o menor estado independente do mundo, uma das construções mais suntuosas e famosas da história: a belíssima basílica de São Pedro. O local, que possui o título de maior templo da cristandade, foi fundado no ano 324, pelo imperador Constantino, na praça batizada também em homenagem ao apóstolo.
À primeira vista chama a atenção, na fachada, a grandiosa cúpula trabalhada pelo artista Michelangelo, obra-prima que só foi finalizada, entretanto, depois de seu falecimento. E se a fachada já impressiona, imagine o suntuoso interior, que abriga riquezas como: a Pietà, do próprio Michelangelo (logo na entrada); oBaldaquino, de Bernini (na área central); o túmulo do apóstolo Pedro, entre tantos outros tesouros e obras-primas.
Um dos pontos mais visitados, no local, é o túmulo do papa João Paulo II (capela de São Sebastião), além dos túmulos de vários outros papas - localizados nas grutas, abaixo da catedral. A Basílica de São Pedro abre diariamante das 7h às 19h (de abril a setembro) e das 7h às 18h (de outubro a março). A entrada é gratuita, mas não são permitidos visitantes trajando saias acima do joelho, shorts, blusas sem manga e decotes (muita atenção com isso, pois a fiscalização na porta é bem rígida).
Pouco mais de 300 degraus levam o visitante à famosa cúpula de Michelangelo. A subida custa € 6 (escadas) e € 7 (elevadores). Uma placa indicando o local encontra-se logo na entrada da basílica e a dica para não enfrentar filas é chegar cedo.
Dica: É bem importante subir, a vista lá de cima é única.
OBS: Não é recomendado ir ao vaticano em dia de missa, pois o local fica muito cheio. Exceto se a pessoa quiser ir à missa e ver o papa.
http://www.vatican.va/faq/index_po.htm
**Horário das Missas (de segunda-feira a sábado): 9-10-11-12-17
Horário das Missas (domingos e dias santos): 9-10.30-11.30-12.15-13-16-17.30 
Endereço: Piazza di San Pietro in Vincoli, 4/a,00184 Roma

 
-> Da estação Termini é possível pegar um ônibus e ir até o aeroporto.
Preço: € 4,00
 

MILÃO

DIA 1

1)      Piazza del Duomo (Praça da Catedral)
A Piazza del Duomo - ou Praça da Catedral, na tradução literal - não só abriga uma das catedrais mais famosas do mundo como também é um dos pontos mais movimentados da capital da região da Lombardia. Sempre repleta de visitantes, a praça que tem em seu centro o Monumento Equestre de Vittorio Emanuele II é rodeada por construções famosas, além de cafés, restaurantes e lojas. No local também está uma das estações de metrô mais movimentadas da cidade (e bastante útil para turistas).
**Aqui também vale a regra do vaticano de não poder entrar com roupas curtas, decotes, bermudas… Dica: Se tiver calor, levar uma calça ou lenço.
Endereço: Piazza del Duomo, 20122
 
2)      Duomo di Milano (Catedral de Milão)
http://www.milaonasmaos.it/category/passeios/em-milao/
Ergue-se no centro da capital da região da Lombardia um dos templos religiosos mais belos e imponentes do mundo: a Catedral de Milão (Duomo di Milano, em italiano). A igreja, considerada a terceira do mundo (perde apenas para a Basílica de São Pedro, no Vaticano, e a Catedral de Sevilha, na Espanha), realmente impressiona à primeira vista por seus 157m de comprimento, 92m de largura (transepto) e 108m de altura no ponto mais alto (onde está a estátua de Nossa Senhora).
O templo, que começou a ser erguido em 1386 e só foi finalizado 500 anos mais tarde, tem um total de 3,5 mil estátuas em sua área externa. Além disso, o visitante pode subir ao topo da catedral pelas escadas (€ 7) ou num elevador (€ 12) e desfrutar de uma das vistas mais belas da cidade.
Como a fachada, o interior da catedral em estilo gótico também é impressionante. São inúmeros pilares, vitrais e uma nave central lindíssima. Todos os detalhes da história do local podem ser vistos no Museu do Duomo, que fica no Palácio Real (lado direito da Piazza del Duomo).
A entrada na Catedral é franca e a visitação acontece diariamente, das 7h às 19h (última entrada às 18h45). É bom lembrar, no entanto, que a entrada em determinados setores do local pode ser cobrada.
Obs.: Para poder tirar fotos no local é necessário adquirir um ticket (uma pulseirinha) que custa 2 euros e permite ao turista fotografar e filmar a catedral. O ticker é válido para o dia da compra, é pessoal e intransfirível e pode ser comprado dentro da catedral.
Endereço: Piazza del Duomo, Milano 

 
3)      Galleria Vittorio Emanuele II
Construída entre 1865 e 1877 com teto de ferro e vidro, como as novas construções arquitetônicas na Europa naquela época (como o Crystal Palace em Londres), o edifício hospeda ainda hoje cafés e restaurantes históricos de Milão como o Biffi, Il Camparino e o luxuoso Savini, lojas de moda como Prada, Louis Vuitton, Tod´s e até pouco tempo atrás o famoso fast food americano. Todos os estabelecimentos devem ter seus nomes do lado de fora escrito em dourado com fundo preto. Nem o fast food e seu logo inconfundível escaparam dessa regra.
Cerca de 200 metros conduzem o visitante do início da galeria até a Piazza della Scala, do outro lado. Lá dentro, entretanto, não passa despercebida a imensidão de detalhes como, por exemplo, o octógno central, onde está uma abóbada de 47 metros de altura. A dica é atravessá-la sem pressa, prestando atenção em cada detalhe e olhando também para cima, sem esquecer de passar pelo touro a mosaico que fica no chão (à esquerda do octogono indo em direção à Praça Scala), colocar o calcanhar direito em seu testículo e dar três voltas completas em sentido horário, dizem que dá sorte.
Endereço: Piazza del Duomo, 20123

4)      Piazza Scala
Do outro lado da Galeria fica a outra praça famosa da cidade, que leva o nome do famoso teatro de lírica, o Teatro alla Scala. A fachada neoclássica não deixa ninguém de bocas abertas, porque todo o seu esplendor está no seu interior, com sua bela sala a forma de ferradura de cavalo que ainda hoje hospeda a temporada lírica, de ballet e da filarmonica da cidade.
Endereço: Piazza della Scala, 20121

5)      Teatro Alla Scala
Endereço: 
Via Filodrammatici, 2, 20121 Milano

 
DIA 2 
 
1)      Castelo Sforzesco

Deixando a Praça Scala, ir em direção ao Duomo e seguir na direção oposta até chegarao Castelo Sforzesco.
Ampliado em época Renascentista como castelo defensivo, se transformou em residência ducal na metade do século 15 e viu seus anos de fama como uma das cortes mais refinadas do Renascimento durante o período que Leonardo da Vinci viveu e trabalhou por alí, afrescando uma das salas.
Hoje, o castelo abriga vários museus municipais de grande importância. Vale a pena entrar pelo menos no Museu de Arte Antiga e contemplar a sala afrescada por Leonardo e a Pietà Rondanini di Michelangelo, que fica no final do percurso.
Se optar por não visitar o museu, atravesse o castelo observando a sua estrutura, formada ainda de parte da fossa e das torres de guarda. Saindo pela parte de trás, se dá de cara com o maior parque da cidade, o Parque Sempione, antigo bosque de caça da família ducal nos tempos áureos do castelo.
A essa altura você já deve estar um pouco cansado. A opção é descansar embaixo de uma árvore no parque, se o clima permitir ou, dando as costas para o castelo, com o parque a frente, sair pelo portão da direita em direção ao bairro de Brera, para o almoço.
Entrada: 5 euros
Endereço: Piazza Castello, 20121 Milano
 
2)      Igreja Santa Maria delle Grazie - Santa Ceia
http://www.paraviagem.com.br/comprando-ingresso-para-a-ultima-ceia-de-da-vinci-em-milao/
Depois de visitar a Vittorio Emanuelle II, pegar o metrô  em frente ao Duomo e ir até a região próxima da Igreja Santa Maria della Grazie. Lá, no interior do antigo refeitório, fica o IL Cenacolo, a versão original da Última Ceia. Uma das maiores riquezas artísticas de Milão, a obra é visitada por milhões de turistas todos os anos, mas para conhecê-la, é preciso se organizar e reservar através do sie: http://www.vivaticket.it/index.php?nvpg[evento]&id_evento=298097&wms_op=cenacoloVinciano&SiteVersion=1
Obs.: Colocamos a igreja nessa ordem apenas como uma sugestão, pois como é necessário um agendamento prévio para visitar a Santa Ceia, a ordem pode mudar.
Endereço: Piazza di Santa Maria delle Grazie, 20123 
 
3)      Brera
O antigo bairro dos artistas e da casas de prostituição até os anos 50, hoje é um dos metros quadrados mais caros da cidade e meta de turistas e locais que aproveitam seus bares, restaurantes, lojas e galerias.
A moldura são os prédios lindinhos mas que conversam ainda a arquitetura popular das casas milaneses dos séculos passados. Em Via Fiori Chiari, você pode decidir parar para o almoço com um panino (sanduíche) ou uma salada no histórico Bar Brera ou nos restaurantes da rua, como o milanesíssimo Nabuco ou, um pouco mais para frente na rua, o mais moderno Fiori Chiari Plates. É sempre em Brera, que ficam também os já citados Ristorante Al Pozzo (bom e baratíssimo) e o modernoso Pisacco.
Endereço: Via Brera, 23, 20121 Milano

4)      Pinacoteca di Brera
Nada melhor depois ao almoço e da descansada, que retornar a descoberta de Milão com obras de Caravaggio, Mantegna, Raffaello, Bellini, Hayez e outros grandes nomes, no maior museu da cidade. Realmente vale investir um pouco do seu dia para conhecer essa maravilha.
Fundada como museu em era Napoleônica no século 19, ainda hoje é a maior coleção de arte que vai do século 13 ao século 19, da cidade. Caravaggio,  Bramantino, Piero della Francesca, Raffaello, Bellini, Mantegna, são só alguns dos nomes dos grandes artistas da arte italiana, exposto nos espaços que foram um convento jesuíta no século 16.
Pinacoteca di Brera 
Horário: De ter a dom das 8.30 às 19.15
Sextas até as 21.15
Fechada: segundas, 1 janeiro, 1 maio, 25 dezembro
Ingressos: 9 euros (inteiro) e 6 euros (meia)
Entrada grátis todo primeiro domingo do mês
Audioguia: 5 euros (disponível em  italiano, inglês, francês, espanhol e alemão)
Endereço: Via Brera, 28  
 
 
5, 6 e 7) Quadrilátero de Ouro
Via della Spiga (Via della Spiga, 20121 Milano, Italy), via Montenapoleone (Via Monte Napoleone, 20121 Milano, Italy), via Manzoni (Via Alessandro Manzoni, 20121 Milano) ou Corso Venezia? Essas são as quatro ruas que delimitam a área conhecida como “Quadrilátero da Moda”. Estão localizadas em É difícil encontrar um centímetro de rua que não inspire glamour: de Armani a Valentino, de Gucci a Prada, de Dolce Gabbana a Versace. A lista de grifes é realmente enorme! 

8)Luini
Via Santa Radegonda 16
20121 Milan
Se você está no centro, quer comer uma coisa rápida, tem que ser o panzerotto do Luini. Depois de anos e anos é ainda a comida de rua mais famosa da cidade. É um pastel feito de massa de pizza, frito e com vários tipos de recheio. Os mais procurados são o de muzzarela com presunto e o de muzzarela com tomate.
O panzerotto não é típico de Milão (é da Puglia), mas a família Luini abriu sua padaria no final do século 19 e um dia a proprietária teve a idéia de fritar esses salgados, típicos da sua região.
Dica: a fila é quase sempre grande, formada de uma mistura de turistas e locais, mas é bem rápida, pois o funcionários já estão acostumados com o movimento. Peça a sua versão e vá come-lo na rua, porque o Luini não tem mesas.
Endereço: Via Santa Radegonda 16, 20121 Milan

9) Navigli
Navigli, o bairro milanês cortado por canais, é um dos pontos mais movimentados da cidade, principalmente no período noturno. Repleto de restaurantes/pizzerias, bares e casas noturnas, o local que fica a sudoeste do centro histórico também é perfeito para ser explorado a pé.
Boa parte dos estabelecimentos existentes no local serve, a partir das 18h, o famoso “aperitivo”, uma espécie de happy hour no qual o cliente paga apenas a bebida e tem direito a se servir à vontade no buffet composto por frios, alguns tipos de massa, pães e várias outras delícias. Uma excelente dica para aqueles que desejam comer bem pagando menos.
Dica: Passar por Pisa antes de ir pra Florença. É uma viagem rápida (57 min de trem) e vale a pena. Passar uma tarde ou manhã lá. 
Endereço: Próximo ao Bar Rita - Via Angelo Fumagalli, 1, Milano

Outros Roteiros