Descubra o melhor país para as mulheres viverem

Descubra o melhor país para as mulheres viverem

A Suécia é conhecida por muitas coisas: saunas, natureza, equilíbrio entre vida e trabalho. Além daquela pausa deliciosa para o café da manhã com bolinho de cardamomo, hmmm…

suecia2

Mas o mais importante é que a nação escandinava é reconhecida mundialmente por sua igualdade de gênero – e os estudos reforçam essa crença.

De acordo com a pesquisa anual “Best Countries” do US News & World Report, divulgada no início desta semana, a Suécia é o melhor país do mundo para mulheres!

Juntam-se ao ranking: Dinamarca, Noruega, Holanda, Canadá, Finlândia, Suíça, Austrália, Áustria e Nova Zelândia no top 10.

suecia1


Por quê Suécia?

Além de considerar a igualdade de gênero como uma das pedras angulares da sociedade do país, o governo investe seu dinheiro na população feminina desde sua concepção. As mulheres recebem cursos pré-natais gratuitos ou subsidiados durante a gravidez e têm direito a dividir 480 dias – cerca de 16 meses – de férias pagas com seu parceiro quando uma criança nasce ou é adotada. Detalhe: essa licença remunerada pode ser distribuída do nascimento aos oito anos de idade da criança!

suecia5

Em 1998, a Suécia aprovou uma emenda que estipula que as escolas “trabalhem contra” estereótipos de gênero – o que parece ter dado resultado. O país viu o sucesso com suas escolas neutras em termos de gênero, onde bonecas e blocos são confundidos na mesma pilha. Ainda na educação, quase dois terços de todos os graus universitários são concedidos à mulheres.

suecia4

Profissionalmente, a Suécia tem uma das maiores representações mundiais de mulheres no parlamento – cinco mulheres foram eleitas pela primeira vez em 1922 – e, a partir de 2015, 82 mulheres e 90 homens eram chefes das principais agências governamentais.


Quer mais? A Suécia tem:

– Ainda em 1250 (!) o rei Birger Jarl aprovou uma lei sobre a violência contra as mulheres.

– Em 1845, foram aprovados direitos iguais de herança para homens e mulheres.

– Em 1921, as mulheres suecas receberam o direito de votar e candidatar-se.

– Em 1935, foram adotadas pensões iguais básicas para homens e mulheres.

suecia3

Apesar dos elogios, as mulheres suecas querem ainda mais (e todas merecem!). Apenas na semana passada, a equipe de futebol feminina do país foi notícia quando substituiu o nome das jogadoras na parte de trás das camisetas por mensagens destinadas a inspirar e motivar as mulheres, como “Believe in your damn self”.

A iniciativa, lançada em colaboração com a Adidas, também beneficiará o gênero em mais de um sentido: 10% dos rendimentos da venda das camisetas vão para uma organização que apóia atletas jovens.

17077643_248694792256751_9156646984017248256_n

A gente pode sonhar em ir morar na Suécia ou sonhar com um mundo onde todos os países sejam assim e igualem os direitos dos gêneros. Na dúvida, sonhamos com os dois!

Fonte: Condé Nast Traveler