Despedida de Solteiro em Las Vegas

Despedida de Solteiro em Las Vegas

Olar, Fabulosos!

Todos sabem que eu sou um gnomo de família, muito bem casado, e que no jardim do meu coração só tem espaço pra minha Gnomie (Oi, amor! <3). Mas curiosamente hoje, que é Dia dos Solteiros, encontrei umas fotos daquela época. Muitas de Las Vegas, onde fiz a minha despedida de solteiro.

Antes que digam que eu sou um gnomo saidinho, explico: a Gnomie ia se reunir com as amigas em Paris. Já que eu estava sozinho, fui com alguns amigos para Vegas. Fomos eu, o Gnelvis (que tem esse nome por causa do rei do rock) e o Polenta (não sei porque a gente chama ele assim, tampouco o nome verdadeiro dele).
 
Gnelvis e Polenta estavam me esperando na capital mundial do entretenimento. Eu cheguei lá de moto, lembra? Passei pela grande placa luminosa e segui até o Hotel Bellagio, onde encontrei a turma. O hotel, como a maioria dos que existem na cidade, mistura hospedagem, cassino e casa noturna. O Bellagio é o maior deles, e também um dos mais caros. Como era a minha despedida de solteiro, o Gnelvis bancou tudo. Ele mora lá há muito tempo, e ficou bastante rico como cover de Elvis e casando turistas. Ele até se ofereceu para fazer o meu casamento, mas acho que a Gnomie não ia curtir muito…

Passamos também pelo Luxor, que é aquele hotel em forma de pirâmide (e onde perdemos boa parte do nosso dinheiro na roleta. Aliás, uma dica para quem vai para Vegas: leve bastante dinheiro e se prepare psicologicamente para perde-lo. Outra dica: alugue um carro. O Gnelvis tinha um Cadillac velho para nos levar de cassino em cassino. A distância entre eles é grande.

A cidade tem um lugar fantástico, que é a Old Las Vegas, onde ficam os primeiros hotéis e cassinos. Lá tem uma rua coberta por um painel de LED, onde passam vários filmes e animações. Lindo de se ver. Tão lindo que nos perdemos do Polenta.
Rodamos toda a cidade procurando esse gnomo safado. Sabe onde encontramos ele? No Grand Canyon, que fica a três horas de distância da cidade! “Ah, cara, não lembro. Estava conversando com uma gnominha muito da fofinha que me trouxe aqui para olhar as estrelas…” Às vezes me esqueço por que sou amigo do Polenta…

Uma das coisas que descobri é que a cidade não é só um cassino gigante. Há muitos museus, passeios em meio à natureza, e lojas para fazer compras. Pena que o orçamento ficou apertado com o que perdemos nas maquininhas no cassino. Foi aí que eu entendi aquela famosa frase: “O que acontece em Vegas, fica em Vegas”. Nosso dinheirinho ficou quase todo lá. Gnomo precavido que sou, tinha minha reserva financeira que garantiu tranquilidade na volta para casa e para os braços da Gnomie. Afinal, azar no jogo, sorte no amor. <3